O que você não pode deixar de fazer faltando 30 dias para o Enem

como estudar faltando 30 dias para o enem

Nos dias 05 e 06 de novembro será aplicado o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem 2016) em todo o Brasil. Isso significa que os candidatos têm 1 mês para se preparar para a prova.

Pensando nisso, vamos dar algumas dicas sobre o que você não pode deixar de fazer faltando um mês para a prova do Enem:

 

1) Confirme sua inscrição

Vale lembrar que o MEC não encaminha a versão impressa do cartão de inscrição pelos Correios.

Por isso, é importante você acompanhar o portal do participante na página do Inep para verificar se está tudo certinho.

Você pode acessar a página do Inep aqui.

 

2) Conheça o local da sua prova

Nesses últimos dias, reserve em sua agenda uma data para visitar, pelo menos, uma vez, o local onde você realizará a prova. A visita é muito importante para você conhecer a região e decidir qual o melhor jeito de chagar ao local no dia.

Lembre-se que atrasos não são permitidos e os portões são fechados, pontualmente, às 13h (horário de Brasília).

 

3) Documentos

Confira se seus documentos estão todos em ordem para apresentar no dia do exame.

Para realizar a prova é necessário apresentar documento de identificação original com foto. Se você, por algum motivo, está sem documento, vale a pena correr e providenciar.

Também são aceitos: carteira de trabalho, passaporte, carteira de habilitação e certificado de reservista.

 

Não serão aceitos: certidões de nascimento e casamento, título de eleitor, carteira de estudante, crachás funcionais. Cópias de documentos válidos, mesmo que autenticadas, também não são aceitas.

 

O candidato que estiver sem o documento por motivo de perda, furto ou roubo poderá fazer as provas se apresentar um boletim de ocorrência expedido por um órgão policial, no máximo, 90 dias do primeiro dia de aplicação do exame.

 

4) Foque nas suas dificuldades

Claro, sabemos que não é possível estudar todo o conteúdo em 30 dias. Por isso, nesse último momento, você pode focar naqueles que possui mais dificuldade.

Faça exercícios, simulados de provas anteriores e aproveite para tirar as últimas dúvidas com professores.

 

5) Converse com mais experientes

Se você ainda sente aquele frio na barriga pela experiência ainda ser nova, vale conversar com pessoas que já passaram por isso.

Eles podem dar conselhos e informações valiosas que podem diminuir sua ansiedade, além de ser inspirador.

 

6) Fique antenado

Ler jornais, sites e revistas ajuda no desenvolvimento de um repertório para escrever uma boa redação. Garantir uma boa pontuação é essencial para elevar a nota e ter mais chances de disputar vagas em programas, como o Sisu.

 

7) Separe um tempo para relaxar

Agora não adianta correr com o atraso. O preparo para o Enem deve ser feito com antecedência para tirar o melhor proveito dos estudos.

Correr para estudar em cima da hora só vai te deixar mais confuso e perdido.

Portanto, aproveite esse tempo para descansar um pouco e relaxar. O período também deve ser aproveitado para manter a alimentação regrada: nada de exageros.

6 Dicas para manter a organização nos seus estudos

organização estudos

O ano de vestibular e prova do Enem costuma ser muito agitado na vida dos estudantes. Afinal, é um momento decisivo que irá decidir o futuro profissional de muitos jovens. Entre atividades, provas, resultados, estudos e apostilas, há uma avalanche de conteúdo.

Por isso é muito importante ser organizado com seu material de estudo e também com o tempo disponível. Pensando nisso, separamos aqui algumas dicas para manter a organização nos estudos:

 

1 – Calendário

Em primeiro lugar, você deve organizar seu calendário de estudos. Nele, você deve anotar todas as datas importantes, incluindo, seus compromissos e prazos. Inclua todas as suas atividades e horários. Vale deixar espaços para lembretes e anotações, pois, dessa forma, você pode inserir e remover informações conforme a necessidade.

 

2 – Agenda

Agora que você já organizou seus dias no calendário, está na hora de organizar seus horários. Nada melhor que manter uma agenda bem organizada para se programar. Com uma agenda, fica fácil anotar e classificar as atividades, além de criar listas, lembretes, anotações, datas de provas, etc.

Se você for do tipo mais moderno, pode usar a própria agenda do celular ou o tablet. Mas, se ainda gosta de fazer as coisas à moda antiga, pode usar a boa e velha agenda de papel.

 

3 – Seja Realista

Tenha em mente quais são as suas prioridades esse ano e procure colocar em sua agenda as atividades que é capaz de cumprir.

Ou seja, estipule horários de estudos que poderá cumprir. Não se sobrecarregue demais, pois isso pode comprometer seus estudos.

 

Determine quantas sessões de estudo você precisará e agende-as no seu calendário. Só então encaixe as atividades extras, levando em conta o tempo que leva para mudar de uma para outra.

 

4 – Separando as disciplinas

Depois de organizar as disciplinas, veja quais são os assuntos que você tem mais dificuldade e comece seus estudos por elas. Dessa forma, terá mais disposição e tempo para sanar todas as dúvidas. Guarde os assuntos que possui mais afinidade para o final, o que dificulta a procrastinação depois de meses de estudo.

 

5 – Anote tudo

Não confie 100% em sua memória. Por mais boa que ela seja, sempre corremos o risco de esquecer alguma coisa. Anote tudo, mas faça isso de uma força organizada.

Deixando tudo anotado, você deixa a “cabeça limpa” para se concentrar nos estudos, nas aulas e nos exercícios.

Faça também uma lista principal com tudo que tem que cumprir e transfira aos poucos para sua lista de tarefas diárias, riscando na lista principal o que já foi realizado.

 

6 – Cuidado com atrasos

Um simples atraso logo pela manhã pode comprometer todo o seu dia. Isso pode acontecer quando temos um horário certo para dormir. Para ter certeza de que não irá se atrasar, deixe o despertador longe da cama, assim você é obrigado a se levantar para desligá-lo.

Crie hábitos antes de dormir, como deixar seu material e roupa organizados para o dia seguinte.

Por que devo fazer o Enem? Entenda aqui a importância do Exame

duvida-estudante

As inscrições do Enem 2016 estão abertas e, por conta disso, muitos estudantes estão se preparando para o Exame. Por outro lado, alguns estudantes ainda ficam na dúvida se devem ou não fazer a prova. Nesta postagem, vamos dar bons motivos para você se inscrever agora mesmo para o Enem 2016.

 

Desde 2009, o Enem tem um novo formato, com número maior de questões – 180 no total -, agrupadas em áreas do conhecimento: linguagens, códigos e suas tecnologias; matemática e suas tecnologias, ciências da natureza e suas tecnologias; e ciências humanas e suas tecnologias. Essa foi a proposta do MEC para fazer com que os estudantes pensem em soluções práticas para realizar a prova.

 

Faculdades

Atualmente, são mais de mil faculdades que aceitam a nota do Enem como pontuação extra nos vestibulares de todo o país. Só para citar três exemplos, temos a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), a Universidade Federal de Goiás (UFG) e a Universidade Estadual Paulista (Unesp).

Além disso, você não precisa ter medo de ir mal no exame, pois, caso a nota do exame não beneficie o candidato, ela pode ser descartada.

 

Vestibular unificado

O Enem deixou há muito de ser apenas um exame para avaliar os conhecimentos do Ensino Médio. Agora, é possível ingressar nas universidades federais do país utilizando o desempenho no Enem.

 

É importante ter em mente que cada instituição de ensino escolhe a forma como adere ao exame: como fase única, como 1ª fase, como parte da nota ou para preencher vagas remanescentes.

 

Após a divulgação dos resultados do Enem, o MEC (Ministério da Educação) disponibiliza o Sistema de Seleção Unificada (SiSU), somente com as vagas das instituições que adotaram a prova como processo seletivo único ou para ocupar vagas ociosas após a realização de seu vestibular tradicional.

 

Neste sistema, o aluno poderá fazer até duas opções de cursos numa mesma instituição ou em diferentes. Ele informará o número de carteiras disponíveis em cada curso e qual o peso que cada uma das áreas de conhecimento da prova do Enem terá na nota final do aluno. É possível saber até o fim do prazo de inscrições se a pontuação alcançada é suficiente ou não para ingressar na graduação desejada, podendo realizar a troca caso necessário.

 

Certificação do Ensino Médio

A certificação é dada para pessoas com 18 anos ou mais, desde que obtenham a pontuação mínima exigida: 450 pontos em cada uma das quatro áreas de conhecimento e 500 na redação. Essa pontuação pode variar a cada edição.

 

ProUni

Os participantes do Enem podem concorrer às bolsas de estudo integrais e parciais do ProUni (Programa Universidade para Todos). Vale lembrar que o programa possui algumas diretrizes, como:

– Comprovar limite de renda familiar;

– Cursado todo o ensino médio em escola pública;

– Cursado todo ou parte do ensino médio em escola privada com bolsa integral;

– Portador de deficiência física;

– Professor da rede pública de ensino básico e concorra a cursos de pedagogia, normal superior ou licenciaturas.

 

Início no Mercado de Trabalho

Não é incomum empresas que contratam estagiários com base no desempenho dos candidatos no Enem que também se torna um critério de seleção de funcionários. Assim sendo, os candidatos que não tiverem experiência profissional anterior podem ter uma boa chance em conseguir o primeiro emprego.

Alunos que jogam videogames tem desempenho melhor na escola, diz pesquisa

videogame

Ao contrário do que muita gente pensa, videogames pode trazem mais benefícios do que se imagina. De acordo com uma pesquisa da Universidade de Columbia, nos Estados Unidos, estudantes que jogavam jogos eletrônicos tinham um desempenho melhor na escola.

 

A pesquisa, publicada no periódico científico “Social Psychiatry and Psychiatric Epidemiology“, foi feita com base na análise dos dados de 3.195 crianças europeias entre 6 e 11 anos, coletados pelo centro “School Children Mental Health Europe“.

O estudo levou em consideração o desempenho escolar, o uso de videogames e o comportamento do ponto de vista de professores e pais dos alunos.

 

O resultado apontou que as crianças que faziam uso de jogos eletrônicos tinham duas vezes mais chances de terem alto desempenho na escola e melhor função intelectual.

 

Os pesquisadores lembraram que estudos anteriores já haviam demonstrado que o uso moderado dos jogos, em torno de uma hora por dia, poderia influenciar positivamente as crianças em seus estudos.

 

Por outro lado, outras pesquisas apontaram que as crianças aprendem comportamentos agressivos e violentos por meio dos jogos eletrônicos.

Dessa vez, os cientistas acreditam que esse tipo de diversão também pode contribuir para que as crianças fiquem mais sociáveis e integradas à comunidade escolar. Mas é importante lembrar que moderação e limites continuam sendo indicados pelos especialistas.

Pesquisa indica que comer chocolate melhora a memória e a concentração

chocolate

Se você é do tipo que adora comer chocolate, aqui vai uma boa notícia: a ingestão de qualquer tipo de chocolate, pelo menos uma vez por semana, pode melhorar a sua memória e a sua concentração.

 

De acordo com pesquisadores da universidade do Sul da Austrália, um composto chamado “flavanols” é responsável por impedir danos em células, o que reduz o risco de perda de memória, demência e risco de outras doenças cardiovasculares e câncer. Esse composto pode ser encontrado em frutas cítricas, chá, vinho e, claro, o chocolate.

 

O estudo foi feito analisando o comportamento cerebral de 1000 pessoas que comiam chocolate habitualmente. Foram examinados efeitos do alimento sobre a memória, concentração, raciocínio e processamento de informações.

 

O teste desafiava os voluntários a lembrar de uma lista de palavras ou recordar onde um objeto foi colocado. O resultado constatou que, após o processamento e recuperação das informações, aqueles que comeram o chocolate, pelo menos, uma vez por semana tiveram resultados melhores que aqueles que não comeram.

 

O Dr. Georgie Crichton, médico responsável pela pesquisa, já sabia da influência positiva dos flavanols no organismo humano. Agora, pretende descobrir mais, mas “pouco se sabe sobre os efeitos do chocolate na cognição e comportamento”, afirma.

 

Mas isso não significa que você tem que sair por aí comento chocolate sem parar. Eles afirmam que o chocolate não deve ser consumido em excesso, mas que pode fazer parte de uma dieta saudável: “deve ser considerada dentro de um padrão de alimentação saudável, levando-se em conta o quanto de energia que um indivíduo necessita”, conta Geogie.