Inscrições do Sisu, segundo semestre 2016, chegam a quase 500 mil

Sisu-enemO número de inscritos no Sistema de Seleção Unificada (Sisu), segundo semestre de 2016, chegou a 482.111 às 18h desta terça-feira (31). Como cada estudante pode fazer duas opções de curso, as inscrições somaram 931.040.

 

Nesta edição, o Sisu oferece 56.422 vagas em 65 instituições públicas de educação superior. Para participar, é preciso ter feito o Enem de 2015 e não ter tirado zero na redação. As inscrições devem ser feitas exclusivamente na página do Sisu na internet.

 

 

O resultado será divulgado na segunda-feira (6). Os convocados poderão fazer as matrículas nos dias 10, 13 e 14 de junho.
Segue ligue no cronograma para não perder nenhuma data:

Cronograma do Sisu 2016/2

30/05 a 02/06 – Período de inscrições

06/06 – Resultado da chamada regular

06/06 a 17/06 – Prazo para participar da Lista de Espera

10/06 a 14/06 – Matrícula da chamada regular

A partir de 23/06 – Convocação dos candidatos em lista de espera pelas instituições

Enem será utilizado para avaliar qualidade do Ensino Superior

vestibular-enem

De acordo com uma série de alterações nos critérios de avaliação do ensino superior que estão sendo desenvolvidas pelo Inep, o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) deve contar na avaliação de instituições de ensino superior. O desempenho servirá como “marco zero” da avaliação do estudante, que será feita também no final do curso.

 

Em coletiva foi anunciado que será criado o Indicador da Diferença entre os Desempenhos Observado e Esperado (IDD), que será calculado com base na comparação dos resultados dos estudantes no Enem, quando ingressam nos cursos, e no Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade), aplicado no último ano da graduação.

 

Medir a aprendizagem

De acordo com o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, a intenção é medir o que estudante aprendeu na instituição de ensino e saber se o estudante ingressou na universidade e depois medir o quanto aprendeu.

 

“Às vezes, a instituição pegou um aluno em um padrão melhor que outra e o que agregou de conhecimento é muito pouco diante daquilo que outra instituição, que pegou aluno com nível muito mais baixo, elevou no final. Estamos avaliando o quanto o estudante cresceu naquele curso, o quanto ele aprendeu”, diz.

 

Ao contrário do Enade, necessário para que o estudante receba o diploma, o Enem não é um exame obrigatório. Porém, o MEC acredita, que este não será um problema, uma vez que a maior parte dos estudantes que ingressa no ensino superior atualmente faz o Enem, mesmo que não o utilize como forma de ingresso.

 

Além disso, o Inep também pretende revisar o Enade, pois, atualmente, as notas são calculadas por comparação com o desempenho de outros cursos. A autarquia quer criar níveis de proficiência para medir o desempenho dos alunos.

 

“Atualmente, mesmo que a instituição tenha um resultado muito positivo, o desempenho pode ser totalmente relativizado se outra instituição teve desempenho superior a ela. Mesmo que faça um esforço para melhorar, se outras melhorarem mais, ela pode até cair no ranking”, explica o presidente do Inep, Luiz Roberto Curi. A classificação em níveis, que ainda serão definidos, segundo ele, resolveria a questão.

 

Avaliação do ensino superior

Hoje, o ensino superior é avaliado de acordo com o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes). O Enade, feito pelos estudantes, tem o maior peso nas avaliações e corresponde a 70% do chamado Conceito Preliminar de Curso (CPC), que por sua vez é usado no cálculo do Índice Geral de Cursos (IGC). Para cada um dos índices há um conceito mínimo, se o curso ou a instituição não atinge, sofre sanções e pode até deixar de funcionar.

 

O Inep pretende substitui o atual CPC pelo Índice de Desempenho dos Cursos, que levará em consideração as mudanças no Enade. O índice vai considerar ainda as taxas de conclusão, permanência e desistência dos estudantes, além do desenvolvimento dos professores. Serão consideradas as titulações dos docentes, o regime de trabalho e a permanência deles nos cursos de graduação.

 

Já o IGC será substituído pelo Índice de Desempenho Institucional, que vai considerar, entre outros indicadores, as atividades de extensão desenvolvidas pelas instituições de ensino.

 

A composição dos indicadores e os pesos de cada uma das avaliações ainda serão definidos pelo Inep. Caso aprovado, a reformulação poderá começar a valer ainda este ano no Enade. O grupo de trabalho que discute a avaliação da educação superior inclui, além do Inep, secretariais do MEC, representantes de instituições públicas e privadas, Conselho Nacional de Educação, entre outras entidades.

As melhores faculdades de Medicina do Brasil, segundo o MEC

melhores-faculdades-de-medicinaVocê sabe identificar os fatores que fazem um curso de Medicina ser considerado de alta qualidade? E quanto aos motivos que explicam a boa estrutura da instituição? Com o objetivo de descobrir quais as melhores faculdades e os melhores cursos de Medicina do Brasil, o Ministério da Educação (MEC) desenvolveu um método de avaliação usando as ferramentas CPC (Conceito Preliminar de Curso) e o IGC (Índice Geral de Cursos).

 

O CPC analisa a qualidade dos cursos e leva em consideração as notas do Enade (Exame Nacional de Desempenho de Estudantes), a estrutura da faculdade e a titulação do corpo docente. No caso da graduação em Medicina, as instituições de ensino passam por diversas análises que envolvem: avaliação das estruturas física e pedagógica do curso, o material didático, os laboratórios, a metodologia de ensino, entre outros.

 

Já o IGC classifica as instituições como um todo e leva em conta a média dos últimos CPCs disponíveis dos cursos avaliados da instituição no ano do cálculo e nos dois anteriores, ponderada pelo número de matrículas em cada um dos cursos computados. O MEC avaliou, ao todo, 154 cursos de medicina do Brasil. Em uma escala de 1 a 5, o CPC é considerado insatisfatório quando não atinge o nível 3, no mínimo. Veja, a seguir, as melhores faculdade de Medicina do Brasil, segundo o MEC:

 

Instituição Categoria Administrativa Município do curso Estado CPC Faixa
Universidade Federal do Espírito Santo Pública Federal Vitória ES 4
Universidade Federal do Rio Grande do Norte Pública Federal Natal RN 4
Universidade Federal de Uberlândia Pública Federal Uberlândia MG 4
Faculdade de Medicina do ABC Privada sem fins lucrativos Santo André SP 4
Universidade Estadual de Maringá Pública Estadual Maringá PR 4
Universidade Federal de Goiás Pública Federal Goiânia GO 4
Universidade Federal de São Paulo Pública Federal São Paulo SP 4
Universidade Positivo Privada com fins lucrativos Curitiba PR 4
Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Privada sem fins lucrativos São Paulo SP 4
Universidade Estadual de Campinas Pública Estadual Campinas SP 4
Universidade de Brasília Pública Federal Brasília DF 4
Universidade Estadual do Oeste do Paraná Pública Estadual Cascavel PR 4
Universidade Federal do Triângulo Mineiro Pública Federal Uberaba MG 4
Universidade Estadual de Londrina Pública Estadual Londrina PR 4
Universidade Federal de São Carlos Pública Estadual São Carlos SP 4
Universidade Federal do Mato Grosso do Sul Pública Federal Campo Grande MS 4
Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Pública Estadual Botucatu SP 4
Universidade Federal da Paraíba Pública Federal João Pessoas PB 4
Fundação Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre Pública Federal Porto Alegre RS 4
Universidade Federal do Rio Grande Pública Federal Rio Grande RS 4
Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto Pública Estadual São José do Rio Preto SP 4
Universidade Federal de Minas Gerais Pública Federal Belo Horizonte MG 4
Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Privada sem fins lucrativos Porto Alegre RS 4
Universidade do Estado do Rio de Janeiro Pública Estadual Rio de Janeiro RJ 4
Faculdades Integradas Padre Albino Privada sem fins lucrativos Catanduva SP 4
Faculdade de Medicina de Jundiaí Pública Municipal Jundiaí SP 4
Universidade de Caxias do Sul Privada sem fins lucrativos Caxias do Sul SP 4
Centro Universitário de Anápolis Privada sem fins lucrativos Anápolis GO 4
Centro Universitário de Volta Redonda Privada sem fins lucrativos Volta Redonda RJ 4
Centro Universitário de Belo Horizonte Privada com fins lucrativos Belo Horizonte MG 4
Faculdade Brasileira Privada com fins lucrativos Vitória ES 4
Universidade Anhanguera -UNIDERP Privada com fins lucrativos Campo Grande MS 4
Universidade do Vale do Sapucaí Privada sem fins lucrativos Pouso Alegre MG 4
Universidade Nove de Julho Privada sem fins lucrativos São Paulo SP 4