5 Dicas de como se preparar para o Enem na reta final

estudar reta final enem

Falta pouco tempo para a prova do Enem esse ano e, com a proximidade da data, é normal que o nervosismo aumente. Nessa reta final, muitos estudantes se sentem perdidos e não sabem como aproveitar melhor esse tempo que resta.

 

Por isso, separamos algumas dicas para você otimizar melhor seu tempo de estudo nessa etapa. Confira:

 

1 – Revisões

Você passou o ano inteiro estudando, agora é a hora de usar todas as suas anotações para fazer revisões.

Nesse momento, o importante é focar na revisão do conteúdo e em resoluções de simulados das provas anteriores do exame. Assim, colocará em prática tudo o que aprendeu e ativará a memória para os assuntos que precisam ser lembrados.

 

2 – Incorpore os estudos no seu cotidiano

Para memorizar um conteúdo ou assunto, precisamos revisá-lo em nossa mente várias vezes. Por isso, incorpore em seu cotidiano as principais informações que você precisa decorar, como fórmulas de física ou elementos da tabela periódica, por exemplo.

 

3 – Mantenha-se atualizado

Para se preparar para as atualidades e possíveis temas que podem ser cobrados na redação do Enem, é necessário ficar antenado no que está acontecendo no cenário político, econômico e social.

Mais do que saber sobre o assunto por meio de fontes confiáveis, é necessário entender e fundamentar uma opinião e sustentar seus argumentos.

 

4 – Prioridades

Agora é a hora de analisar e identificar qualquer lacuna que tenha ficado em seus estudos. Veja qual matéria ainda tem pontos a ser estudado ou aquela que você ainda tem alguma dificuldade.

 

5 – Controle a ansiedade

Nesse momento, a ansiedade irá somente atrapalhar. Ela nos deixa nervosos, nosso raciocínio não funciona direito e você não conseguirá se concentrar.

Lembre-se que tudo faz parte da sua experiência como estudante e profissional. Não fique aflito, pois, mesmo que você não vá bem nessa edição da prova, sempre haverá outras oportunidades, além de todo o aprendizado que vai tirar da experiência.

5 Dicas para você se preparar para a prova de inglês do Enem

estudar-ingles-enem

A prova de inglês do Enem não é somente sobre regras de gramática e o básico do vocabulário. O objetivo da prova de língua inglesa é testar se o candidato sabe entender e interpretar os textos.

Acontece que o MEC quer saber qual a capacidade dos alunos em ler e interpretar os textos corretamente, além de testar sua capacidade de raciocínio em outra língua. Por isso, aquelas questões clássicas e simples, abordando apenas o uso do passado imperfeito, ou como se escreve determinada palavra, raramente vão aparecer.

 

Abaixo, vamos listar dicas de como se preparar para a prova de inglês do Enem:

1 – Leia textos jornalísticos

Nas últimas provas do Enem foi usado com frequência textos jornalísticos, como de sites, revistas e jornais. Por isso, pratique esse tipo de leitura.

Sabemos que dificilmente iremos comprar um jornal ou revista em inglês, porém, esse conteúdo pode ser encontrado na internet. Mas preste atenção para os sites, procure aqueles confiáveis.

Ao ler, é importante compreender o título e o subtítulo, pois ficará bem mais fácil de entender o texto completo, e, além disso, a mensagem é passada em poucas palavras no título e no subtítulo.

 

2 – Poemas

Recentemente, o Enem utilizou poemas na prova de inglês e pediu que os candidatos identificassem qual a mensagem o autor queria passar nos versos finais de um poema.

Os poemas, geralmente, possuem um vocabulário mais requintado e vão exigir mais conhecimento do aluno. Procure alguns poemas famosos, e tente identificar as palavras e os sentidos que não são familiares para você.

 

3 – Atualidades

As questões vão abordar temas atuais de interesse social, político, econômico e cultural. Sabemos que estar antenado no Brasil e no mundo faz parte do preparo para o Enem, porém, na prova de inglês será analisado se você é capaz de entender o contexto em outra língua.

 

4 – Gramática

Mesmo que nas últimas provas tenha caído poucas questões sobre gramática, é importante que você saiba ler e escrever corretamente, respeitando todas as normas e regras.

Tenha cuidado com os Falsos Cognatos. Os falsos cognatos são as palavras que parecem em inglês que têm semelhança com as palavras em português, mas apresentam um sentido diferente.

 

5 – Tirinhas

Charges e tirinhas também são usados com frequência para medir a capacidade interpretativa dos alunos. Esse tipo de questão geralmente pede que o aluno mostre ter entendido a piada e encontre uma alternativa que a explica, o que pode gerar confusão na interpretação entre humor e crítica.

É fundamental prestar tanta atenção aos diálogos quanto ao desenho, pois os elementos gráficos dão o tom adequado para entender a situação.

6 Dicas para escrever a melhor redação do Enem 2016

como escrever redação do enem

A redação é um dos pontos principais da prova do Enem e dos Vestibulares Tradicionais, pois, “zerar” na avaliação escrita compromete toda a prova, mesmo que você tenha ido bem nas outras disciplinas.

A prova de redação do Enem é avaliada por cinco competências e, em cada uma, o candidato pode receber uma nota que varia de 0 a 200. Somando os cinco itens, a nota máxima que o candidato pode alcançar é 1.000. Vale lembrar que, quem quer se inscrever no ProUni (Programa Universidade para Todos), por exemplo, a redação pode ter um peso de até 50% no processo seletivo.

 

Pensando no seu sucesso, aqui, vamos dar as melhores dicas para você escrever uma redação nota 1.000 no Enem, confira:

 

1 – Tema

Em primeiro lugar, o tema é o coração da redação. Nenhuma técnica de escrita vai ajudar se você não tiver conhecimento sobre o tema abordado. Por conta disso, é muito importante que o candidato se mantenha informado sobre as principais notícias que acercam o mundo e o Brasil.

Nesta outra postagem, demos dicas para você se preparar para atualidades e tema de redação do Enem.

 

Normalmente, a prova oferece textos e informações sobre o tema para que o candidato tenha bases para começar a escrever a redação. Utilize esse recurso da melhor forma e tome cuidado para não se confundir nem deixar as ideias atrapalharem a ideia central do tema.

 

2 – Analise suas ideias

Ao ler o tema, os textos de apoio e os dados, é normal que comecem a pipocar várias ideias na cabeça. Isso significa que você tem muito a dizer sobre aquele assunto.

Antes de começar a escrever, coloque todas essas ideias em um papel. Dessa forma, garantirá que não irá esquecê-las e terá a oportunidade de saber quais delas são pertinentes ao tema e como você quer escrever.

Além disso, essa é uma boa forma de organizar as ideias e elaborar o “esqueleto” da redação, como se fosse uma base de apoio.

 

3 – Como organizar uma redação?

Depois de ter anotado todos os tópicos e ideias, é hora de colocar “ordem na casa”. Veja quais dos tópicos se complementam para fazer parte de um parágrafo.

 

Para não se perder, você pode organizar os tópicos utilizando as técnicas abaixo:

– Causa / Consequência / Solução
No primeiro ponto, você deve separar quais são as causas do problema e suas consequências. Por fim, veja quais as possíveis soluções para ele.

– Comparação
Esses tópicos são utilizados para apresentar os contrastes do tema proposto e relacioná-los à outro. Dessa forma, você pode expor melhor o tema para o leitor.

– Contexto Histórico
Aqui você apresenta a alusão histórica do tema com qualidades e suas características baseadas em fatos.

-Exemplificação
Essa é a oportunidade de dar exemplos daquilo que quer dizer.

– Conceituação
Alguns temas exigem que você use como base conceitos de tratamentos, leis, fundamentos. Normalmente, as provas disponibilizam alguns dados que podem ser utilizados pelo candidato.

 

Não existe uma regra específica, tudo irá depender do tema e como você vai abordá-lo. É possível utilizar uma dessas técnicas ou utilizando todas, tomando cuidado em deixar todas as informações coesas.

 

4 – Escrevendo

Então chegou a hora de começar a escrever de fato. Lembre-se que os primeiros passos serviram para você organizar as ideias e ter uma base sobre o que quer escrever.

O parágrafo de introdução consiste em apresentar o texto ao leitor de forma abrangente. No caso de textos dissertativos, a introdução deve conter o assunto e a tese a serem analisados, exposição clara e objetiva dos argumentos que serão apresentados.

 

5 – Corpo do texto

– Não se inclua na redação, não cite fatos de sua vida particular, nem utilize o ainda na 1ª pessoa do plural.

– Atente para as expressões vagas ou significado amplo e sua adequada contextualização. Ex.: conceitos como “certo”, “errado”, “democracia”, “justiça”, “liberdade”, “felicidade” etc.

– Evite expressões como “belo”, “bom”, “mau”, “incrível”, “péssimo”, “triste”, “pobre”, “rico” etc.; são juízos de valor sem carga informativa, imprecisos e subjetivos.

– Fuja do comum, frases feitas e expressões cristalizadas. A palavra “coisa”, gírias e vícios da linguagem oral devem ser evitados, bem como o uso de “etc.” e as abreviações.

– Não se usam entre aspas palavras estrangeiras com correspondência na língua portuguesa.

– Muito cuidado com o significado das palavras. Se não sabe ao certo o significado, utilize um sinônimo.

– Observe se não há repetição de ideias, falta de clareza, construções sem nexo (conjunções mal empregadas), falta de concatenação de ideias nas frases e nos parágrafos entre si, divagação ou fuga ao tema proposto.

– Verifique se os argumentos são convincentes: fatos notórios ou históricos, conhecimentos geográficos, cifras aproximadas, pesquisas e informações adquiridas através de leituras e fontes culturais diversas.

 

6 – Passando a redação a limpo

Leia sua redação, veja se ele tem clareza, objetividade e coesão,

Agora, é pra valer. Passe a limpo a redação, escrevendo-a com uma letra legível. Cuidado para cometer erros ou rasurar a prova.

Também tenha cuidado com a pontuação, uma vírgula (ou falta dela) pode fazer toda a diferença na proposta do texto.

5 Dicas para você iniciar sua rotina de estudos

rotina-estudosNão tem jeito, para tirar uma boa nota no Enem e Provas de Vestibulares, é necessário incorporar os estudos em sua rotina. Afinal, o conhecimento é como uma casa, deve ser construída aos poucos, tijolo por tijolo. Estudar é um hábito que pode ser muito agradável, acontece que temos que saber como estudar e como tornar a atividade prazerosa.

Por isso é muito importante começar uma rotina de estudos, e essas dicas vão te ajudar a dar o primeiro passo para começar agora mesmo!

 

1 – Use a criatividade

Muitas vezes, não temos o costume de estudar, porque não identificamos um método prazeroso e eficiente. Tente diferentes ambientes e formas de estudos. Se você estuda em casa, por exemplo, veja qual o cômodo que se sente mais à vontade e adapte formas diferentes até encontrar uma forma ideal para você.

 

2 – Motivação

Quando você estuda desmotivado, você não aprende nada, é a mesma coisa que não estudar. Por isso, não encare essa atividade como obrigação, mas algo que irá te tornar uma pessoa mais interessante e inteligente. Além disso, você está dando os primeiros passos em busca de um sonho.

Trace suas metas e objetivos. Anote em um papel, deixe bem visível e tenha sempre foco.

 

3 – Horário

Para criar uma boa rotina de estudos, você também precisa decidir o horário. É muito importante estipular qual os dias e horários irá estudar. Quando você estuda em horários diferentes a cada dia, seu corpo não irá se adaptar à rotina.

Acontece que nosso corpo e, principalmente, o cérebro precisa se acostumar com uma atividade em certo horário. Portanto, veja qual é o horário que se sente mais disposto e produtivo.

 

4 – Não desista

Muitos estudantes deixam seus objetivos de lado e caem em tentações como dormir, sair com os amigos ou a famosa procrastinação. Lembre-se que você ainda pode fazer tudo isso, mas faça sem culpa!

É muito melhor você obedecer o seu planejamento ao invés de se culpar. Você perceberá que suas atividades se tornarão muito mais prazerosas quando tiver aquela sensação de dever cumprido.

 

5 – Não se esforce demais

Você está criando uma rotina de estudos justamente para não ter que se sobrecarregar. Ou seja, estudando um pouco todo dia, terá tempo suficiente para aprender todo conteúdo sem ter que comprometer outras atividades e seu descanso.

É aconselhável estudar, no máximo, 40 minutos corridos. Depois, faça uma pausa de 10 a 15 minutos. Neste tempo, coma alguma coisa, escute uma música, dê uma volta e volte aos estudos.

 

Com disciplina e moderação, você poderá realizar todas as atividades que gosta, estudar sem pressa e de uma forma muito mais saudável.

Por que devo fazer o Enem? Entenda aqui a importância do Exame

duvida-estudante

As inscrições do Enem 2016 estão abertas e, por conta disso, muitos estudantes estão se preparando para o Exame. Por outro lado, alguns estudantes ainda ficam na dúvida se devem ou não fazer a prova. Nesta postagem, vamos dar bons motivos para você se inscrever agora mesmo para o Enem 2016.

 

Desde 2009, o Enem tem um novo formato, com número maior de questões – 180 no total -, agrupadas em áreas do conhecimento: linguagens, códigos e suas tecnologias; matemática e suas tecnologias, ciências da natureza e suas tecnologias; e ciências humanas e suas tecnologias. Essa foi a proposta do MEC para fazer com que os estudantes pensem em soluções práticas para realizar a prova.

 

Faculdades

Atualmente, são mais de mil faculdades que aceitam a nota do Enem como pontuação extra nos vestibulares de todo o país. Só para citar três exemplos, temos a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), a Universidade Federal de Goiás (UFG) e a Universidade Estadual Paulista (Unesp).

Além disso, você não precisa ter medo de ir mal no exame, pois, caso a nota do exame não beneficie o candidato, ela pode ser descartada.

 

Vestibular unificado

O Enem deixou há muito de ser apenas um exame para avaliar os conhecimentos do Ensino Médio. Agora, é possível ingressar nas universidades federais do país utilizando o desempenho no Enem.

 

É importante ter em mente que cada instituição de ensino escolhe a forma como adere ao exame: como fase única, como 1ª fase, como parte da nota ou para preencher vagas remanescentes.

 

Após a divulgação dos resultados do Enem, o MEC (Ministério da Educação) disponibiliza o Sistema de Seleção Unificada (SiSU), somente com as vagas das instituições que adotaram a prova como processo seletivo único ou para ocupar vagas ociosas após a realização de seu vestibular tradicional.

 

Neste sistema, o aluno poderá fazer até duas opções de cursos numa mesma instituição ou em diferentes. Ele informará o número de carteiras disponíveis em cada curso e qual o peso que cada uma das áreas de conhecimento da prova do Enem terá na nota final do aluno. É possível saber até o fim do prazo de inscrições se a pontuação alcançada é suficiente ou não para ingressar na graduação desejada, podendo realizar a troca caso necessário.

 

Certificação do Ensino Médio

A certificação é dada para pessoas com 18 anos ou mais, desde que obtenham a pontuação mínima exigida: 450 pontos em cada uma das quatro áreas de conhecimento e 500 na redação. Essa pontuação pode variar a cada edição.

 

ProUni

Os participantes do Enem podem concorrer às bolsas de estudo integrais e parciais do ProUni (Programa Universidade para Todos). Vale lembrar que o programa possui algumas diretrizes, como:

– Comprovar limite de renda familiar;

– Cursado todo o ensino médio em escola pública;

– Cursado todo ou parte do ensino médio em escola privada com bolsa integral;

– Portador de deficiência física;

– Professor da rede pública de ensino básico e concorra a cursos de pedagogia, normal superior ou licenciaturas.

 

Início no Mercado de Trabalho

Não é incomum empresas que contratam estagiários com base no desempenho dos candidatos no Enem que também se torna um critério de seleção de funcionários. Assim sendo, os candidatos que não tiverem experiência profissional anterior podem ter uma boa chance em conseguir o primeiro emprego.